Santo Cristo (55) 3541-2154 | São Paulo das Missões (55) 3563-1094 douglas_theisen@assisnet.com.br
Para quem é dono de um imóvel ou de um veículo, a forma mais barata de tomar um empréstimo para pagar outras dívidas com juros mais altos, investir em um negócio próprio, fazer um curso, viajar ou realizar um sonho qualquer é dar um desses dois bens como garantia de outro empréstimo com taxas bem abaixo da média do mercado. O chamado “refinanciamento” – também conhecido por hipoteca reversa, “home equity” ou crédito pessoal com garantia de um bem – é uma modalidade de crédito pessoal nova no Brasil e muito pouco divulgada pelos bancos. Ainda que desconhecida, essa modalidade de crédito é muito interessante para o cliente, que pode ter acesso a empréstimos com juros a partir de 1,05% ao mês + correção pelo IGP-M no refinanciamento do imóvel e de 1,90% + correção pelo IGP-M no refinanciamento do veículo. As taxas são bem mais atraentes do que as das modalidades de crédito mais populares entre os brasileiros, conforme a tabela abaixo:
Linha de crédito Juros
Taxa mês Taxa ano
Cartão de crédito 12,14% 295,48%
Cheque especial 9,74% 205,06%
Empréstimo pessoal – Bancos 4,00% 60,10%
Empréstimo pessoal – Financeiras 7,54% 139,24%
Crediário dos lojistas 5,16% 82,90%
Fonte: ANEFAC, abril de 2015

As taxas de juros são o elemento mais importante do custo de um empréstimo. Imagine, por exemplo, que alguém passou por uma fase financeira difícil e tem uma dívida de R$ 50 mil no cartão de crédito. Se esse consumidor decidir pagar a dívida em 12 parcelas iguais, terá de desembolsar um total de R$ 87.462,07, sendo R$ 50 mil do valor da dívida mais R$ 37.462,07 em juros e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Já se tomar um empréstimo pessoal de R$ 50 mil em algum banco pagando 3% ao mês de juros, o valor total a ser pago, considerando exatamente as mesmas condições, cairá para R$ 61.560,76. O consumidor, portanto, terá economizado R$ 25.901,31 em juros. Considerando um crédito pessoal com garantia de um imóvel ou de um veículo, a economia seria ainda maior, ainda que seja impossível calculá-la porque não se conhece o IGP-M futuro – quem quiser fazer uma simulação pode usar, por exemplo, o IGP-M anual médio dos últimos oito anos, de 5,64%, ou ainda outro número. O importante é entender que, ao escolher a linha de crédito mais barata possível, você paga menos juros ao banco.

Voltar

Pin It on Pinterest

Share This